sexta-feira, 24 de abril de 2015

Potty training for boys! Largando as fraldas.

Meu filho acabou conseguindo vaga na escola que queríamos (em SP está assim... As top melhores escolas é que escolhem você e não você quem escolhe a escola... Mas isso é assunto pra outro post). Bom, mas e o que isso tem a ver? Simples: as aulas começam em agosto e meu filho, apesar de ter 3 anos, ainda usava fraldas até mês passado, e a escola não aceita crianças com fraldas!!!

Então agora, uma semana antes da páscoa, meu marido resolveu tirar a fralda (detalhe: meu marido foi viajar dois dias depois e me deixou aqui sozinha com minha bebê de então 2 meses e passando por esse martírio da fralda que parecia que não ia acabar...).

Não sei quanto a vocês, mas talvez por eu ter demorado demais e ter deixado ter idade pra entender de tudo, questionar, etc, aqui as coisas não estão sendo nada fáceis... Ainda estamos na fralda do dia.

Meu filho tinha PA-VOR de sentar na privadinha ou piniquinho, fosse como fosse. Chorava de esguelar, só de ter que sentar. E nem xixi queria fazer. Fazia na roupinha e avisava antes. Mas não deixava abaixar a calça de modo algum. Tenho a impressão que ele se sentia desprotegido sem um paninho de contato, por causa da sensação que a fralda proporcionava antes.

Nada... Nem "corrupção" funcionava... Fosse pista hot wheels, carrinhos, kinder ovo... NADA.

Então, caso seu filho esteja com o mesmo problema que o meu, abaixo explico como estamos conseguindo progressos aqui em casa:

1) Tiramos a fralda de dia;
2) Quando o via segurando o pipiu, parecendo que ia marchar com as pernas, sabia que a hora estava próxima, então corria com ele lá pra fora. Afinal, melhor do que a casa ficar cheirando amônia...rs
3) Comecei a conseguir fazer ele sentar, de roupa mesmo. Contava sempre a mesma história nessa hora (no caso, de quando fomos pra Disney, nos mínimos detalhes: malas, taxi, avião, hotel, parques, atrações, shows... Porque pode demorar, viu...);
4) De início, ele fugia na hora do xixi. Levantava e pedia pra fazer na cuequinha. Eu deixava;
5) Com o tempo (uma semana), ele percebeu que molhava a cuequinha dele e ele ficava triste quando não tinha mais nenhuma dos Carros pra trocar;
6) Eu nunca vou conseguir agradecer às professoras dele toda a atenção e carinho com a situação. Elas perceberam que para ele essa questão era muito sensível e fizeram e fazem de tudo pra ajudar!!! Ele é fã dos carros, então olhem só a tabelinha que elas fizeram pra ele colocar um velcro cada vez que ele faz algumas das atividades inerentes ao potty training (abaixar as calças, sentar no pinico, fazer o xixi, dar descarga, lavar as mãos...). Quando completa uma fileira, ganha um mini chocolate e, quando completa toda a cartela, ganha um kinder ovo.


7) Depois de uns 10 dias ele já deixava colocar o pipiu pra fora da cueca pela abertura e fazia o xixi ainda só quando já não tinha mais força para agüentar segurar... E chorava. Mas já fazia no pinico comigo pegando o pinico na hora que eu via que ia sair;
8) Depois de uns 5 dias assim, ele já não demorava mais tanto, só conseguia chegar na primeira parte da história da Disney, e ele já mirava no pinico e fazia força pro xixi sair;
9) Fui num aniversário e ele não quis de jeito nenhum fazer na privada, nem na pequenininha infantil. O jeito foi deixar ele fazer no chão e começar o treinamento na privada em casa. Lembrei de um amigo contando que a mãe dele fazia barquinhos e colocava no vaso pra ele acertar. Testei. E não é que deu certo??? Porque ele queria acertar o barquinho e inconscientemente fazia força. Fazemos micro barquinhos e pintamos nas cores dos personagens dos carros, com os olhinhos e tudo. Agora, ele aposta com o pai pra ver quem vai primeiro;




10) Pra complementar a historinha na hora do xixi, quando já não tinha mais o que contar, assistimos a vídeos no youtube e o que ele mais gosta é o The Potty Movie.


A fralda do dia já foi resolvida, mas apenas para o número 1... Ele sempre fez cocô à noite ou ao acordar... Então ele espera a noite para colocar a fralda e só então faz cocô... A professora queria que tirasse a da noite, mas o médico pediu que mantivéssemos, já que ele poderia travar o cocô e literalmente ficar entupido. O que faz um mal danado à criança. O meu medo é só uma diarréia durante o dia, porque ele ainda tem pavor de cocô na privada (se bem que é mais nojo, pois ele chega a vomitar quando vê o de alguém na privada). Alguém já passou por isso?

Bom, se alguém tiver mais dicas estou aceitando e espero ter ajudado com algumas idéias e com o relato. Será que está sendo difícil só pra mim???

quinta-feira, 23 de abril de 2015

No meu corpo, mando EU - o porquê escolhi CESÁREA e não tenho vergonha alguma disso.

Escuto há muito, e calada, pessoas que não sabem conviver em sociedade. Que não entendem toda a questão bíblica do livre arbítrio, ou jurídica, do livre convencimento. E simplesmente não toleram quem pensa diferente. Aliás, está aí a palavra que tornaria sempre tudo mais harmonioso entre os povos: tolerância.

A tolerância leva ao respeito. Entender que para cada um, há um certo pessoal diferente (e que esse pode ser o seu errado, mas que não é você quem está agindo!).

E toda essa balela para dizer que SIM, eu fiz CESÁREA, POR OPÇÃO. Simples assim. E DUAS vezes. EU, na MINHA visão, e para MIM, entendi que era a melhor opção. Não me considero menos mãe por isso: carreguei meus filhos no ventre entre 38 e 40 semanas cada um, privando-me de qualquer coisa que pudesse vir a lhes fazer mal (como álcool ou quaisquer tipos de excessos de gordura ou de ginástica que fosse), amamentei o primeiro 6 meses até o retorno ao trabalho e amamento exclusivamente minha segunda pequerrucha sem complementos... Até quando achar que isso é o melhor para ela e enquanto tiver leite. Deixo de dormir por eles, fico ao pé da cama quando estão doentes, até prendo a respiração para minimizar barulho quando eles dormem... Quando vou morder um pedaço de chocolate e meu filho me surpreende, deixo de comer esse doce para que ele se delicie, mesmo que seja o último e único pedaço (fico mais feliz em vê-lo feliz do que em satisfazer meus desejos pessoais). E faria isso se fosse caso de fome também. Definharia pra que eles tivessem o que comer. Meu coração dói só de pensar que eles podem sentir dor ou frio, fome ou tristeza e que eu não possa ajudá-los e por isso me solidarizo com qualquer caso de sofrimento infantil, seja por doença ou maus tratos, chorando só por assistir uma reportagem e tentando, sempre que me é possível, ajudar. Há uma solidariedade inerente entre mães, só pelo fato de terem vivido a maternidade, e que independe de raça, cor, credo ou orientação sexual.

Entendo todos os pontos de quem opta por um parto normal ou ainda natural. Não, não acho que quem optou por eles seja mais ou melhor que eu. Mas também não acho que seja pior! É que, pra ela (ou você) que me lê, na sua vida, essa foi a opção que lhe pareceu mais acertada. E você acertou por fazer exatamente o que te parecia melhor!

Compreendo que a cesárea não é a forma natural do bicho homem dar a luz. Mas também sei que a intervenção científica é que permite a evolução da saúde, tratando doenças de uma forma não natural. Sem essa evolução, não haveria a contracepção não tabelinha, para escolhermos o melhor momento de termos filhos e quantos queremos ter. Viveríamos até os 30/40 anos, já que com essa idade, seríamos velhos, sem todo o pique de corrida e caça e pararíamos nossa existência em algum episódio de doença... Quem aqui já não tomou antibiótico para ajudar o corpo a combater uma bactéria??? Então isso não é argumento PARA MIM. Mas para outra, pode ser. E eu respeito.

Também sei que a cesárea é uma cirurgia, e que nela estão inclusos todos os riscos de uma operação. Mas também sei que o parto natural também não é imune a riscos e que, quando tudo aperta, também se opta pela cesárea. No parto normal pode ser que o bebê entre em sofrimento fetal, pode ser que só a episiotomia não seja o suficiente para evitar uma dilaceração que pode afetar o sistema urinário e digestivo, em sua fase final... Esse foi o meu pensamento, e que não precisa ser o seu. Eu respeito.

Compreendo os índices de complicações que a OMS mostra, mas também sei que na amostragem e na colheita dos dados, não levam em consideração as cesáreas eletivas apenas, face aos partos normais. Na amostragem da cesárea estão incluídas todas aquelas que foram necessárias após uma tentativa frustrada de parto normal ou indicadas para casos específicos de pressão alta, ruptura de útero ou qualquer outra indicação médica, e que já se espera que traga mais complicações. Queria eu saber os números comparando as cesáreas puramente eletivas aos partos normais. Confesso que não sei, mas que ouvi falar mais de problemas em partos normais, ouvi. Talvez você não. E eu respeito.

Meus médicos nunca me induziram à cesárea. Minha última médica perguntou diversas vezes se eu não queria tentar o normal. E EU não quis. Talvez você queira. E eu respeito.

Acho que a cesárea traz mais riscos, mas às mães. E penso que ela tenha menos risco para o bebê. Eu escolhi ele. Mas você pode achar que tem menos risco no normal para seu bebê e escolher essa outra via. E se você acha isso, do meu ponto de vista, tomou a decisão acertada.

O pós-operatório é geralmente mais difícil na cesárea que nos normais. Sim. É bem incômodo, aliás. Mas também não conheci a dor e dilacerações que tecnicamente poderia sentir se tivesse optado pelo normal e mais ainda pelo natural. Eu balanceei as duas expectativas e escolhi a que ME parecia melhor. Você pode muito bem ter optado pela dor do parto por motivos que só cabem a você. E eu respeito.

Então, se você pensa diferente de mim, tente exercitar a tolerância, porque dela nasce o respeito pelo próximo. Mães, por parto normal ou cesárea, têm nesses atos e como conseqüência comum deles, o bem mais precioso que se possa imaginar. Tornam-se mães, iguais umas às outras. Assim como aquela que assina um documento e adota uma criança. Tanto importa o meio, o que fica como relevante, pra mim, é o resultado. Ser mãe, da maneira como você escolheu, da melhor maneira que você consiga. E ponto.















segunda-feira, 20 de abril de 2015

Top bolsas de fraldas de marca - LUXO - Grifes internacionais.

As diaper bags de marcas de alto luxo vieram fazer com que carregar as fraldas, trocadores e mamadeiras ficasse mais fashion. Eu acabei optando por uma nacional, que tivesse as malas do bebê combinando (veja aqui o post sobre kits de malas de maternidade), mas para quem quer algo para usar de bolsa também, e assim sair com uma só, pesquisei as seguintes opções:

1) Gucci: na estampa tradicional (USD 1100 na SAKS):


2) Prada: muito linda, USD 1340 na SAKS:


3) Burberry: amei! Na realidade, sou fã da marca. Tudo o que tenho é de excelente qualidade e acho o xadrez deles, desde que não na peça inteira, um charme. Essa estava USD 1395 na SAKS:


DICAS:

- Se você gosta de algumas dessas bolsas em específico, compre online antes de viajar... Eu, quando fui, não encontrei, nem mesmo indo a uma das SAKs de Miami - explicaram que como não são um produto muito vendido e que não são tão procuradas assim, é difícil ter no estoque;

- Que não é exatamente extreme top, mas é uma graça e de qualidade, é a bolsa Armani, de cerca de USD 270: essa vi num post da querida Talu do insta @mamaeemmiami - e achei a melhor de todas - não no conceito melhor marca/mais cara, mas sim no utilidade: tem bolso térmico e trocador (a maioria das outras é uma adaptação das bolsas da marca, sem as divisórias e bolsos térmicos, tão essenciais para passeios mais longos).



- Não achei nenhuma dessas em outlet. A única que encontrei conto abaixo;

- Se você não ligar pro trocador combinando ou bolsos internos e externos, a da Prada de nilon existe na versão bolsa comum e, quando fui ao outlet, ela estava lá (só que, como mencionei não tem os bolsos e o trocador);

- Que não são top luxo, mas continuam fashion, há as bolsas da Kate Spade. Elas custam cerca de USD 400. A dica pra quem quiser elas é ir ao outlet... No Sawgrass, por exemplo, no dia, uma delas que já estava por metade do preço, com o desconto que estavam dando na hora saia por menos de USD 100...


PS: Fotos extraídas do site da saks.com

domingo, 19 de abril de 2015

Viagem de carro pela Europa com bebê - Portugal, Espanha e França. Parte IV - Nosso roteiro e hotéis.

Contextualizando: era julho, verão europeu (temperaturas altíssimas, entre 30 e 40oC), diversos traillers nas estradas e temporada. Portanto, hotéis sempre cheios de turistas e mais caros. Nós estávamos em 5 pessoas, sendo nós (casal), nosso filho de 1 ano e meio, minha avó de 83 anos e a babá com 60...

Percurso da IDA via Google Maps.

Percurso da VOLTA via Google Maps.

Fizemos Porto - Vigo - Verín - Burgos - Biarritz - Bordeaux  - Saint-Emilión -Valladolid - Madrid - Serra da Estrela - Porto.

Saímos do PORTO, em Portugal (em negrito e maiúsculas as cidades que valem a visita).

Meu filho e o Douro! Que saudade de PT!!!

E fomos ao norte, cruzar a fronteira do país com a Espanha. Já em terras hispânicas, paramos em VIGO: uma cidadezinha na fronteira, toda fortificada! Paramos lá para o almoço e para umas voltinhas nas lojinhas da cidade, que têm artesanatos e produtos manufaturados muito legais, como os licores "de merda" e "hijo puta":



Dormimos em Albarellos, no Hotel Gallego (comida bem ruinzinha, hotel velhoooo, mas limpo). Apesar de termos tentado vaga no hotel Parador de Verín, que é o mais legal da região e fica num castelo reformado (gente, esse hotelzinho é LINDOOOO de morrer), ele estava lotado.


Foto do Booking.com


Foto do site Parador de Verín.


Olhem só o naipe do hotel Gallego...rs

Depois fomos até BURGOS, onde passamos o dia. E a cidade é linda e arborizada. A catedral é maravilhosa!






Lá, dormimos num hotelzinho de estrada bem simpático (Hotel Ciudad de Burgos).


Chegamos então ao País Basco, BIARRITZ (a praia mais bonita que já vi e fui na Europa). Almoçamos na Place Saint-Eugénie no hotel de L'Ocean e dormimos no hotel Mercure, já que o Hotel du Palais não tinha vaga! Que graça de cidade! Era verão, então fomos à praia e tudo! E que cidadezinha linda e pitoresca!

Hotel du Palais - foto do site oficial.
Essa senhora elegante é a minha avó em Biarritz!

Passando para um almoço rápido em BORDEAUX (Bordéus em português), seguimos até SAINT-ÉMILION, de onde saem os melhores grand crus da europa! Procuramos uma pousada e nada tinha vaga... Acabamos ficando na vila fortificada mesmo! E ficamos no hotel Au Logis des Remparts, que era demais! Todo em pedra, como as muralhas - o quarto era minúsculo, mas o café ótimo e tinha até piscina. Lindo lindo, com vista pros parrerais!



Fotos do site do Hotel.




Jantamos no La Cote Braisee, numa espécie de caverna cavada nas pedras, sem janelas. Bem diferente! (PS: na França tudoooo fecha muito cedo).


Detalhe do cordeiro servido em uma mini espada.

Tentamos a vinícola Cheval Blanc, mas estavam fechados à visitação!!! Almoçamos na vinícola do Chateau Hotel Grand Barrail, e que almoço! O lugar é demais! E o hotel parece ser também: pelo exterior, é o mais bonito que vimos!!! Mas dizem que o melhor é o Hotellerie de Plaisance.





Fotos do Almoço no Grand Barrail - esta última é do site do Hotel. 

Voltamos e esquecemos de dar um pulo em LOURDES (de Nossa Senhora de Lourdes), que descobrimos depois ser do lado! E minha avó é devota... Então, se forem pra Biarritz e alguém for católico, lembrem de Lourdes ali do lado.

Na volta, passamos em VITÓRIA-GASTEIZ no País Basco, que vale a visita por seus diversos prédios históricos.


Dormimos em Valladolid, no NH Hotel 5 estrelas depois de muitoooo rodarmos. Lá há alguns prédios históricos, mas não ficamos para explorar.

E seguimos a MADRI, onde ficamos por 2 noites, no hotel USA Princesa no El Corte Ingles, na Calle Princesa. O café da manhã era ótimo e a localização também. Fizemos tudo à pé, como ir ao palácio, por exemplo. Jantamos no Botín - restaurante mais velho do mundo, de 1725, e almoçamos num bem simples seguindo na Calle Balién, mas que tinha um arroz de lagosta e uma paella divinos.


Fotos do Hotel USA Princesa do próprio site do estabelecimento - fachada e café da manhã!


Fotos do almoço na Calle Balién!

Decidimos então voltar pela SERRA DA ESTRELA, onde ficamos no Hotel Design Casa das Penhas Douradas, tipo boutique. Foi o melhor da viagem! E a comida também, com direito a jantar degustação com ingredientes locais que foi dos DEU-SES! Falam que no inverno dá pra brincar de esqui...rs




Fotos do site do hotel.

PS: Veja aqui os textos anteriores sobre Viagem de carro pela Europa com bebê:

- O aeroporto de Porto;
- Porto - passeios com as crianças;
- Providências iniciais pra viajar de carro - como o que levar no carro, marca das papinhas e assentos de carro.

PS2: Considerando minha experiência, minha sugestão seria atual seria: Porto - Vigo - Verín - Burgos - Biarritz - Bordeaux  - Saint-Emilión - Lourdes - Saragoça (se animar, dê um pulo em Valência e Ibiza) - Madrid - Salamanca - Serra da Estrela - Porto.

Alguém já fez algum roteiro de carro pela Europa?

quinta-feira, 9 de abril de 2015

Wishes de 2015!

Começou o ano e com ele diversos lançamentos das marcas de luxo. Pra 2015, montei minha wish list!

- Bolsa Diorama da Dior (amo a marca e tudo o que eles fazem é de uma qualidade incrível - meu brinco tribal continua impecável e olha que já usei bastante). Já adoro a Lady, a clássica da marca, mas a Diorama ficou demais também. Seria num estilo mais boy da Chanel, mas como é lançamento, é menos carne de vaca... Pelo que andei lendo, começa em USD 3 mil, na versão pequena.

Foto do site Dior Brasil.


- Relógio de orquídeas da Cartier. Gente, pára tudo que eu fiquei passada com essa coleção das orquídeas deles! Já sou fã do rosê, e as peças estão tãooooo delicadas! BA-BEI pelo relógio, o que não tira do colar e brincos o seu charme espetacular. O relógio é da linha Ballon Bleu...


O óculos de pantera também está ma-ra-vi-lho-so!

Foto do site Cartier.

- Sandálias da Valentino - a coleção rockstud é demais (aquela com as tachas piramidais), que teve os scarpins como ponto alto, ou a Vavavoom (bolsinha que pode se segurar tanto pela alça como por uma espécie de soco inglês que encaixa na mão). Acontece que estou na minha fase mais confy, então meus objetos desejo agora são mais práticos e que se adaptam a uma rotina com uma bebê de 3 meses: saltos com base larga, flats ou anabela e bolsas crossbody para carregar apenas documentos sem comprometer o movimento das mãos. E a Valentino arrasa:




Fotos do site Valentino.

- Mini Peekaboo Fendi... Muito fofa, ainda mais se acompanhada do "chaveirinho" (ou "charms"). Não é lançamento deste ano, mas continuam na minha wish list:


Fotos do site Neiman Marcus.

- Botas e anabela Louboutin (os dois últimos só vi à venda na Europa... E as botas não são propriamente lançamentos, mas continuam peças desejo pra mim):



Fotos do site Louboutin.

Gostaram também?